Comissão Consultiva

  • Prof. Doutor

    Alexandre Quintanilha

    Presidente da Comissão de Ética para a Investigação Clínica (CEIC)

    Nasceu em Lourenço Marques (Maputo- Moçambique) em 1945.

    Licenciou-se em Física Teórica na Universidade de Witwatersrand (Joanesburgo) tendo completado o seu Doutoramento na mesma área, em 1972.

    Trabalhou depois durante cerca de 20 anos na Universidade de Berkeley na Califórnia, onde foi Professor de Fisiologia Celular e de Biofísica, tendo ainda desempenhado funções no Laboratório Nacional Lawrence Berkeley, primeiro como Diretor Assistente no Departamento de Energia e Ambiente e, posteriormente, como Diretor do Centro de Estudos Ambientais.

    De seguida, mudou-se para a Universidade do Porto para lecionar Biofísica no Instituto de Ciências Biomédicas tendo sido simultaneamente, e até recentemente, Diretor do Instituto de Biologia Molecular e Celular (IBMC) e Diretor do Instituto de Engenharia Biomédica (INEB).

    Alexandre Quintanilha presidiu depois à Comissão responsável pela implementação do consórcio i3S que juntou os principais institutos de investigação biomédica do Porto.

    É membro da Academia Europeia e da World Academy of Arts and Science fazendo também parte do Conselho para Investigação e Exploração da National Geographic Society. Ao longo dos anos presidiu inúmeros grupos de trabalho na European Science Foundation (ESF), na Comissão Europeia, na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), e em diversas organizações nacionais e internacionais dedicadas à investigação.

    Atualmente, é o presidente da Comissão de Ética para a Investigação Clínica (CEIC), e Secretário do Conselho dos Laboratórios Associados. Foi membro do Conselho Consultivo para a Ciência e Tecnologia, durante o mandato do anterior Presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso.

    Publicou mais de 130 artigos em revistas científicas de nível mundial e seis livros, e esteve sempre ligado ao desenvolvimento de políticas para a ciência. As suas áreas de trabalho são o stress biológico, a perceção do risco e a promoção pública da ciência.